Rússia assina contrato para vender míssil ao Irã

Jornal do Brasil

MOSCOU - Uma autoridade de Defesa russa confirmou que um contrato para vender mísseis poderosos de defesa aérea para o Irã foi assinado há dois anos, embora as armas não tenham sido entregues. A informação foi divulgada por agências de notícias russas.

O governo russo negou repetidas vezes as acusações de que o país já teria oferecido alguns mísseis S-300 para o Irã. Eles nunca admitiram que tal contrato existiu.

As agências estatais ITAR-Tass e RIA-Novosti e a independente Interfax citaram uma autoridade de alto escalão no Serviço de Cooperação Técnico-Militar Federal dizendo que havia assinado o documento. O porta-voz da unidade não quis comentar a informação.

O fornecimento de mísseis para o Irã afetaria o equilíbrio militar no Oriente Médio e a medida foi alvo de especulação intensa e disputas diplomáticas por meses.

Israel e os Estados Unidos temem que, se o Irã tivesse as armas, usaria o arsenal para proteger suas unidades de produção nuclear, incluindo a usina de enriquecimento de urânio em Natanz ou a primeira usina de energia atômica do país, que agora é construída por russos em Bushehr. O fornecimento de mísseis tornariam um ataque a essas bases muito mais difícil.

Não ficou claro o motivo pelo qual o armamento não foi entregue, mas as publicações citaram o oficial de defesa dizendo que o cumprimento do contrato dependerá da situação internacional atual e a decisão da liderança nacional .

Isto pode indicar que a Rússia ainda pretende usar o contrato como uma ferramenta de barganha antes da reunião do mês que vem entre os presidentes Dmitry Medvedev e Barack Obama. Mas a autoridade disse que a Rússia não pretende abandonar o contrato, estimado em centenas de milhões de dólares.

O famoso analista russo Ruslan Pukhov, do Centro de Análises de Estratégias e Tecnologias, disse que o contrato do míssil era interessante para Medvedev mais do ponto de vista político do que comercial:

A cooperação com o Irã é um instrumento de barganha política com o Ocidente.