Líder sírio elogia Obama e sugere encontro

REUTERS

ROMA - O presidente sírio, Bashar Al Assad, disse esperar para breve uma reunião com seu homólogo norte-americano, Barack Obama, e se mostrou disposto a ajudar a mediar a relação entre o Ocidente e o Irã.

Em entrevista publicada nesta quarta-feira pelo jornal italiano La Repubblica, ele também confirmou sua disposição em retomar negociações de paz com Israel, mas disse estar preocupado com o clima político naquele país.

- Com a retirada do Iraque, o desejo por paz, o fechamento (da prisão militar) de Guantánamo, (Obama) mostrou ser um homem de palavra - afirmou Assad, alertando no entanto que é cedo para falar em "mudança histórica" na política externa dos EUA.

Questionado sobre um possível encontro com Obama, Assad disse:

- Sim, em princípio. Seria um sinal muito positivo. Mas não estou buscando uma oportunidade para fotos. Quero vê-lo, conversar.

Obama tem revisto a política dos EUA para a Síria, inclusive a possibilidade de enviar novamente um embaixador a Damasco.

Neste mês, Obama enviou dois representantes à Síria, e um deles afirmou ter encontrando "muito terreno comum" com Assad - uma declaração que reverte um tom de inimizade que durava anos.

Washington retirou seu embaixador da Síria depois do assassinato, em 2005, do ex-premiê libanês Rafik Al Hariri. Os EUA levantaram suspeita de envolvimento sírio no crime, embora Damasco tenha rejeitado a acusação.

Assad afirmou que países como Turquia e França deveriam se envolver cada vez mais na diplomacia da região, mas disse que "só Washington pode pressionar Israel".