Parlamento do Mercosul preocupado com o protecionismo na região

JB Online

MONTEVIDÉU - O Parlamento do Mercosul (Parlasul) manifestou nesta terça-feira sua preocupação pelo agravamento da crise e pela redução do comércio dentro do bloco, o que poderia afetar sua integração.

Em uma declaração conjunta, os parlamentares expressaram sua "oposição ao uso do protecionismo como recurso para minimizar os efeitos da crise".

A Argentina adotou recentemente medidas para defender sua economia que foram consideradas "protecionistas" por alguns países do bloco, como Paraguai e Uruguai.

Os parlamentares também manifestaram na mensagem "sua grande preocupação com o agravamento da crise mundial, que já produziu efeitos negativos substanciais nas economias reais, inclusive nos Estados do Mercosul".

O Parlasul vai convidar ministros da Fazenda e da Economia do bloco e de seus países associados para participar de uma sessão especial em abril para discutir sobre a estratégia comum frente à crise.

O Mercosul é integrado por Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai como Estados-membros, Chile e Bolívia, como membros associados, e Venezuela, que está em processe de ser aceita no bloco.