Venezuela: Oposição critica ocupação de portos ordenada por Chávez

Agência ANSA

CARACAS - O prefeito do distrito metropolitano de Caracas, Antonio Ledezma, criticou nesta segunda-feira a reforma na Lei de Descentralização, proposta pelo presidente Hugo Chávez e aprovada pela Assembleia Nacional na semana passada.

Ledezma, uma das principais figuras da oposição do país, disse que Chávez "impõe" ordens ao Legislativo de maneira "inconstitucional".

No último dia 12, a Assembleia Nacional, amplamente dominada por partidários do governo federal, aprovou uma reforma na Lei de Descentralização que permite ao Executivo gerenciar portos, aeroportos e estradas do país, hoje sob responsabilidade de administrações regionais. A oposição alega que, com isso, Chávez quer minar os recursos financeiros de prefeitos e governadores da oposição.

O prefeito de Caracas também se referiu à decisão, anunciada ontem pelo presidente, de assumir o controle dos portos e aeroportos do país. Chávez argumentou que a medida é necessária porque os locais vinham sendo dominados por "máfias regionais".

- Estamos na Venezuela, um país democrático, de gente séria e civilizada que não admite este tipo de atropelo de ordem verbal - disse Ledezma.

Chávez indicou ter decretado a ocupação pelas Forças Armadas dos portos de Maracaibo e Porto Cabello, o maior e mais movimentado da Venezuela. Os três principais portos ficam em departamentos (estados) governados pela oposição: Carabobo, Zulia e Nova Esparta.

O mandatário ameaçou mandar prender as autoridades que resistirem à decisão.

Nesta segunda-feira, o governador de Zulia, Pablo Pérez, disse que não teme ser detido.

- Estou apegado à Constituição e não tenho medo que me prendam - disse o político.

- Querem acabar com a autonomia dos estados, e seria uma ironia se nós ficássemos de braços cruzados - complementou.