Presidente de Madagascar lutará até o fim, diz porta-voz

REUTERS

MADAGASCAR - O presidente de Madagascar, Marc Ravalomanana, lutará até o fim e tem discutido apoio militar com a Organização das Nações Unidas (ONU) e com Estados do sul da África, disse seu porta-voz nessa segunda-feira.

- O presidente planeja continuar em Madagascar. Ele disse isso à guarda presidencial, que havia dito que ele deveria ser levado para outro lugar, e ele respondeu: 'morrerei com você se for necessário'. Esta é a posição dele - disse Andry Ralijaona, porta-voz do gabinete do presidente.

- Os poderes do presidente estão agora limitados, obviamente. Isto está se transformando em um golpe de Estado. Ele ainda tem o poder para pedir ajuda externa e uma rede pela qual pode chamar as pessoas - Ralijaona disse à Reuters.

Ele destacou uma série de opções para Ravalomanana após a tomada, na segunda-feira, do palácio presidencial e do Banco Central por soldados que apoiam o líder da oposição, Andry Rajoelina.

- A quarta opção é nós pedirmos apoio para a comunidade internacional, a Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC, na sigla em inglês), e a ONU. Isto seria um apoio militar e administrativo - disse.

- Esta opção tem sido discutida com a SADC e a ONU.