Para chanceler italiano, será difícil posição europeia sobre racismo

Agência ANSA

BRUXELAS - O ministro das Relações Exteriores italiano, Franco Frattini, considera 'difícil' que a Europa alcance uma posição comum na Conferência das Nações Unidas sobre Racismo, conhecida como Durban II, que será realizada de 20 a 24 de abril na sede europeia da ONU, em Genebra.

A Itália decidiu não participar do encontro porque o projeto da declaração final da conferência contém 'frases agressivas do tipo antissemita', segundo esclareceu o próprio ministro ao anunciar a desistência do país.

- Será difícil. Espero que a posição europeia seja aquela que a Itália almeja: mudar radicalmente o texto, parar de negociar sobre aquele documento e produzir um documento mais restrito, de 15 ou 16 parágrafos. Veremos se isso ocorrerá de fato, como um colega me disse, infelizmente em caráter 'confidencial', mas espero que isso seja revelado - afirmou Frattini.

A conferência Durban II tem o objetivo de rever a Declaração Mundial Contra o Racismo, Discriminação Racial, Xenofobia e Intolerância criada durante a primeira conferência, realizada em 2001 em Durban, na África do Sul.