Lula diz que Obama 'tem clareza do tamanho da crise'

Agência ANSA

BRASÍLIA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta segunda-feira que seu homólogo norte-americano, Barack Obama, "tem clareza do tamanho da crise" econômica global e "da responsabilidade de seu país" neste cenário.

- O que eu fiquei bem impressionado é que o presidente Obama tem clareza do tamanho da crise, da responsabilidade dos Estados Unidos e de que é preciso estabelecer um consenso entre os países do G20 (que reúne os países mais ricos e os principais emergentes) para que possamos tomar medidas capazes de debelar essa crise - disse Lula.

O presidente brasileiro avaliou assim, em seu programa de rádio semanal "Café com o Presidente", a conversa que manteve com Obama em Washington no último sábado.

Em seu programa, Lula também disse acreditar na capacidade de Obama para mudar a relação dos Estados Unidos com a América Latina.

- Os Estados Unidos precisam compreender que a América Latina e a América do Sul estão em um momento excepcional de fortalecimento das instituições e da democracia. Acho que Obama tem condições de fazer essa inflexão - disse.

O presidente brasileiro, que realiza desde o último sábado uma visita oficial aos Estados Unidos, foi o primeiro mandatário latino-americano a ser recebido por Obama.

Durante um encontro na Casa Branca, os dois líderes coincidiram na necessidade de implementar regulamentações mais estreitas para controlar os mercados financeiros internacionais, falaram sobre as cúpulas de abril do G20, que acontecerá em Londres, e das Américas, em Trinidad e Tobago, além do etanol brasileiro e as relações entre Estados Unidos e América Latina.

Obama elogiou o programa de produção brasileiro do etanol e disse que seu país gostaria de "seguir o caminho" traçado por Brasília, reconhecendo, por outro lado, que o eventual ingresso do etanol brasileiro é "fonte de tensões" com os produtores locais, portanto, esta situação "não mudará de um dia para o outro".

Lula, por sua vez, aproveitou a ocasião para pedir frente às câmeras o relançamento da Rodada de Doha da Organização Mundial do Comércio (OMC) e o fim do protecionismo.

Nesta segunda-feira, o presidente Lula se encontra em Nova York onde participará de diversas atividades, entre elas o seminário "Brasil: parceiro global em uma nova economia", que visa promover o país como um dos atores de maior peso econômico na política mundial.

Após o seminário, Lula será entrevistado pelo jornalista Fareed Zakaria, da CNN, e à noite retornará a Brasília, encerrando assim sua visita de três dias ao país.