El Salvador: Antonio Saca cumprimenta Funes por vitória em eleições

Agência ANSA

SAN SALVADOR - O presidente eleito de El Salvador, Mauricio Funes, da Frente Farabundo Martí para a Libertação Nacional (FMLN), disse nesta segunda-feira que recebeu os cumprimentos do atual presidente do país, Antonio Saca, pelo triunfo obtido nas eleições de ontem.

Segundo Funes, durante um telefonema Saca também lhe agradeceu por ele haver garantido, em seu discurso da vitória, que faria o possível para que o atual governo conclua bem sua gestão. Funes, eleito com 51,27% dos votos, assumirá o poder no dia 1º de junho.

Seu adversário nas urnas, o candidato Rodrigo Ávila, da Aliança Republicana Nacionalista (Arena), que governa El Salvador há duas décadas, também o cumprimentou pelo resultado.

Funes, que é jornalista e trabalhou na emissora norte-americana CNN, também avaliou como positivo o conteúdo de um editorial veiculado hoje pelo jornal salvadorenho El Diario de Hoy.

Durante a campanha, a publicação fez inúmeras críticas ao candidato, que por isso se negou a conceder entrevistas a seus jornalistas. No texto de hoje, porém, o diário sinaliza uma possível distensão.

- A proposta de unidade nacional é recebida com braços abertos, em função de um mandato popular conferido em eleições livres. El Salvador está dividido e [a situação] requer uma profunda dose de sabedoria de ambas as partes para encontrar o melhor caminho para o país - diz o artigo, assinado por Fabrício Altamirano.

Para Funes, tal mudança de postura representa o início de "um novo ciclo", que segundo ele poderia desencadear também "um novo ciclo na produção jornalística nacional".

O presidente eleito ressaltou que o comportamento de parte da imprensa salvadorenha corresponde ao "velho regime", e que é necessário tomar uma nova atitude, que seja coerente com os novos tempos.

- Fui tolerante com a crítica, inclusive com a que teve um claro propósito destrutivo, mas agora, quando vejo um editorial como o de Fabrício Altamirano, eu me animo e me alegro porque vejo a possibilidade da construção de uma nova relação com a mídia e, particularmente, com El Diario de Hoy - reiterou Funes.

O novo mandatário disse estar de acordo com uma imprensa que critique e fiscalize, que denuncie as arbitrariedades e os abusos cometidos em nome do poder.

- É muito importante não ir para cama com o poder, não perder sua independência editorial", destacou ele, assegurando que não pedirá à imprensa que seja "conivente" ou que reproduza o discurso oficial.