Militantes atacam equipe de críquete do Sri Lanka no Paquistão

REUTERS

LAHORE - Cerca de 12 homens armados, usando rifles, granadas e foguetes atacaram nesta terça-feira, em Lahore (Paquistão), a seleção de críquete do Sri Lanka, ferindo seis jogadores e um técnico britânico e matando seis paquistaneses, segundo autoridades locais.

Os militantes não-identificados abriram fogo contra o ônibus do time, que se dirigia para o estádio Gaddafi, em Lahore, para o terceiro dia de uma partida contra o Paquistão.

O capitão do time, Mahela Jayawardene, disse que os atiradores inicialmente dispararam contra os pneus do ônibus, e depois contra a carroceria.

- Todos nós nos jogamos no chão para nos proteger - disse ele, antes de ser retirado de helicóptero junto com o resto da equipe, inclusive os feridos.

O motorista do ônibus disse que um agressor lançou uma granada contra o veículo, mas que o artefato não explodiu. O motorista de um outro ônibus que vinha logo atrás, transportando os árbitros australianos, foi morto.

Sajjad Bhutta, funcionário da prefeitura de Lahore, disse que o ataque deixou seis mortos. Autoridades e testemunhas disseram que as vítimas fatais são cinco policiais, além do motorista do segundo ônibus.

O incidente desta terça-feira lembra o ataque de novembro em Mumbai (Índia), que deixou cerca de 170 mortos. Aquele atentado levou a seleção indiana de críquete a cancelar uma turnê pelo Paquistão. O time do Sri Lanka aceitou o convite para substituir os indianos.

Sabia-se que ocidentais no Paquistão poderiam ser atacados, mas poucos analistas conseguem estabelecer qualquer razão para um atentado contra o time cingalês de críquete, a não ser passar a mensagem de que ninguém está seguro ao visitar o Paquistão.

A Índia atribuiu o atentado de Mumbai a militantes islâmicos treinados no Paquistão. O incidente provocou uma grave crise diplomática entre os dois vizinhos nucleares, gerando também pressão internacional para que Islamabad reprima grupos islâmicos que no passado contaram com a benevolência dos serviços locais de inteligência.

O grupo acusado pela Índia de realizar o atentado de Mumbai, o Lashkar-e-Taiba, é oriundo da província do Punjab, cuja capital é Lahore.