Obama promete investigar casos

Jornal do Brasil

DAS AGÊNCIAS INTERNACIONAIS - Em uma tentativa de rever erros e acertos de seu antecessor George Bush, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, prometeu que seu governo investigará casos claros de tortura de detidos.

Ninguém está acima da lei e se há casos claros de irregularidades, essas pessoas devem ser investigadas, como qualquer outra disse Obama, que reiterou o compromisso de não usar esse tipo de método de coerção.

Ele garantiu que analisará a proposta do presidente da Comissão Judicial do Senado, Patrick Leahy, de criar uma comissão da verdade para investigar o comportamento do governo anterior nesse aspecto.

Apesar das declarações, o presidente fez questão de lembrar que está mais interessado em olhar para frente, que para trás .

Uma alta funcionária do Pentágono chegou a reconhecer, anteriormente, que um detido de Guantánamo foi submetido à tortura, o que é proibido pelo direito americano e internacional.

Além disso, a agência de inteligência americana (CIA) admitiu ter realizado asfixias simuladas em três detidos. A nova administração da Casa Branca já classificou a técnica como tortura.