Ban espera Obama em cúpula climática de março

REUTERS

NAÇÕES UNIDAS - O secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, está organizando uma cúpula climática na qual espera que o presidente Barack Obama confirme a reviravolta do novo governo norte-americano na política para esse setor, segundo diplomatas e funcionários da ONU.

Eles afirmam que Ban pretende chamar dezenas de países para uma 'minicúpula' em Nova York no final de março - ainda antes, portanto, da reunião do G20 sobre a crise financeira em Londres, em abril.

- Se isso acontecer, seria a estreia de Obama na ONU. Será também um forte sinal se ele usar a ocasião para mostrar ao mundo que deseja uma grande mudança ao reverter as políticas ambientais de (seu antecessor, George W.) Bush - disse um diplomata da entidade, pedindo anonimato.

Fontes da ONU disseram que Obama ainda não confirmou presença na reunião, para a qual Ban espera receber grandes poluidores, como China, Índia e EUA, entre outros. Autoridades norte-americanas disseram que Obama ainda não se decidiu sobre participar ou não.

O secretário-geral manifestou preocupação de que a crise financeira leve os países, especialmente os desenvolvidos, a suspenderem investimentos destinados a mitigar o aquecimento global. Por isso, segundo os diplomatas, ele pretende realizar o encontro climático antes da cúpula de 2 de abril do G20 (bloco de países desenvolvidos e emergentes).

Ao contrário de Bush, que rejeitou o Protocolo de Kyoto por incluir metas obrigatórias de redução dos poluentes, Obama é favorável a limites compulsórios de emissões e promete liderar o mundo no combate ao aquecimento.

Funcionários da ONU se disseram esperançosos de que uma outra reunião, prevista para o fim do ano em Copenhague, leve a um acordo sobre uma meta de reduzir as emissões globais em 50 por cento até 2050. Eles dizem que o apoio de Obama a essa meta antes da reunião será crucial.

- A minicúpula será uma oportunidade para que Obama confirme para o mundo que o clima está no topo da sua agenda - disse um diplomata europeu.

- Precisamos disso para que Copenhague seja um sucesso - disse.

O evento dinamarquês deve estabelecer metas de curto prazo, provavelmente até 2020, para que os países ricos cortem emissões de gases do efeito estufa, e também metas para que os países em desenvolvimento desacelerem o crescimento das suas emissões.