Obama pede suspensão de julgamentos em Guantánamo

Agência AFP

BASE NAVAL DE GUANTANAMO - O presidente Barack Obama pediu imediatamente após sua posse na terça-feira a suspensão, por 120 dias, dos processos nos tribunais de exceção de Guantánamo, de acordo com documentos judiciais apresentados à imprensa.

- No interesse da justiça, e a pedido do presidente dos Estados Unidos e do secretário de Defesa Robert Gates, o governo solicita, respeitosamente, que as comissões militares autorizem o adiamento dos processos mencionados anteriormente até 20 de maio de 2009 - afirma a moção que será apresentada nesta quarta-feira pelo juiz Cayton Trivett, do Ministério Público, a dois procuradores dos tribunais de exceção.

Um dos procuradores, Stephen Henley, é responsável pelo processo de cinco homens acusados de ajudar a organizar os atentados de 11 de setembro de 2001 em Nova York e Washington.

O segundo, Patrick Parrish, examina o caso de Omar Khadr, um canadense detido quando tinha apenas 15 anos no Afeganistão, acusado de matar um soldado americano.

Corresponderá, portanto, aos dois a decisão de aceitar o pedido de congelamento das comissões militares de Guantánamo, um enclave sob administração americana no extremo oriental da ilha de Cuba.

A prisão de Guantánamo foi aberta em 2002, como parte da 'guerra contra o terrorismo' iniciada pelo governo de George W. Bush depois dos atentados de Nova York e Washington.

Os tribunais de exceção foram criados em 2006 e atualmente são responsáveis por 21 casos, 14 deles já atribuídos a um juiz, em um total de 245 detentos, de acordo com dados do Pentágono.

Obama, que assumiu a presidência na terça-feira, prometeu que uma de suas primeiras medidas seria o fechamento da prisão Guantánamo, que virou um símbolo dos excessos dos Estados Unidos na 'guerra contra o terrorismo'.

E Obama começou de fato a cumprir a promessa, ao pedir a suspensão do sistema judicial de exceção, que julga os detentos acusados de crimes de guerra.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais