Relator quer processar Bush e Rumsfeld por torturas em Guantánamo

Agência AFP

BERLIM - O relator especial ONU para a tortura pediu nesta terça-feira que o ex-presidente George W. Bush e seu ex-secretário da Defesa, Donald Rumsfeld, sejam processados por torturas e maus-tratos aos prisineiros de Guantánamo.

"Judicialmente falando, os Estados Unidos têm uma clara obrigação", afirmou Manfred Nowak, referindo-se à necessidade de abrir um procedimento contra Bush e Rumsfeld, em entrevista ao canal alemão ZDF.

Ele enfatizou que Washington ratificou a convenção da ONU contra tortura que exige a lei seja usada contra as pessoas que a violam.

"Temos documentos que estão disponíveis ao público e provam que esses métodos de interrogatório foram intencionalmente ordenados por Rumsfeld", afirmou.

-Obviamente as mais altas autoridades do país estavam cientes disso-, acrescentou Nowak, que autorizou um relatório investigativo das atividades na prisão de Guantánamo.

Indagado sobre a possibilidade de uma ação legal contra Bush e Rumsfeld, Nowak respondeu: "A princípio, sim. Acho que as provas estão sobre a mesa".

Um relatório bipartidário do Senado americano divulgado no mês passado revelou que Rumsfeld e outras altas autoridades estavam a par do abuso cometido contra os detentos da prisão em Cuba.

Dizia ainda que Rumsfeld autorizou técnicas ilegais de interrogatório em 2 de dezembro de 2002 e que essas atos de coação se baseavam num documento assinado por Bush em fevereiro de 2002.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais