Parlamentares italianos apresentam moção contra refúgio a Battisti

Agência ANSA

ROMA - Os representantes da coalizão governista de centro-direita Povo da Liberdade (PDL) no Senado apresentaram nesta terça-feira uma moção ao governo italiano em repúdio à decisão do Brasil de conceder refúgio político ao ex-militante Cesare Battisti e propondo que a país trabalhe por sua extradição.

Segundo o líder da coalizão governista no Senado, Maurizio Gasparri, a moção foi apresentada pelo senador Filippo Berselli, ao qual "agradeceu pela iniciativa", e teve o apoio do vice-presidente da coalizão, Gaetano Quagliariello, além de outros componentes do grupo parlamentar.

- Já é hora de o Parlamento italiano se dirigir às autoridades brasileiras e não aceitar a impunidade a um assassino como Cesare Battisti. Na Itália, representantes do governo, os presidentes da Câmara e do Senado, e até o presidente da República, em um ato formal e importante, se fizeram ouvir. É justo que o Parlamento se expresse também - disse Gasparri.

Representado pelo senador Stefano Pedica, também o partido Italia dei Valori (IDV, de centro-esquerda) apresentou um pedido ao Senado.

Durante sua intervenção, Pedica apresentou um cartaz com as palavras "Battisti extraditado" e pediu "solidez às forças constitucionais para pedir ao governo brasileiro a extradição de um terrorista já condenado por quatro homicídios".

A vice-presidente do Senado, Rosi Mauro, por sua parte, solicitou a remoção do cartaz e afirmou que o pedido dos parlamentares será analisado.

Battisti, de 54 anos, foi condenado à prisão perpétua na Itália por quatro assassinatos cometidos na década de 70, quando era membro do grupo de extrema-esquerda Proletários Armados pelo Comunismo (PAC).

Preso no Brasil desde 2007, o italiano recebeu há uma semana o status de refugiado político, o que permitirá a ele viver e trabalhar no país sem ser extraditado. A decisão gerou certa tensão entre as duas nações.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais