Para Grã-Bretanha, Paquistão não se envolveu em ataque a Mumbai

REUTERS

NOVA DÉLHI - O secretário de Relações Exteriores da Grã-Bretanha disse na terça-feira acreditar que o Estado paquistanês não dirigiu os ataques em Mumbai, opondo-se às acusações feitas pelo governo indiano, que diz que agências governamentais paquistanesas estão envolvidas no caso.

- Eu disse publicamente que não acredito que os ataques tenham sido dirigidos pelo Estado paquistanês e acho importante reafirmar isso - disse David Miliband numa entrevista coletiva.

Ele acrescentou que está claro que os ataques tiveram origem no Paquistão e que Islamabad tem de desmantelar os grupos que agem em seu território, como o Lashkar-e-Taiba (LeT), ao qual foi atribuída a responsabilidade pelos ataques em Mumbai.

- Temos absolutamente clara a origem do ataque terrorista, e a responsabilidade do Paquistão de levar os responsáveis à Justiça - disse Miliband.

- O que é relevante é a abordagem do Estado paquistanês em relação à LeT e a maneira como o Estado paquistanês vai ameaçá-la - disse.

A Índia tem demonstrado frustração com o que considera uma falha paquistanesa em tomar uma ação firme contra os responsáveis pelo ataque, no qual 179 pessoas foram mortas, em novembro.

Os ataques reacenderam a tensão entre os dois países vizinhos, que travaram três guerras desde 1947. Ambos têm armamentos nucleares.

Mas Miliband elogiou a Índia pela 'maturidade' e 'sabedoria' na resposta aos ataques, preferindo responder diplomaticamente, em vez de militarmente.