Equador diz que diplomacia com Brasil se restabelecerá em breve

Agência AFP

QUITO - O governo do Equador afirmou nesta quinta-feira que acredita no rápido retorno do embaixador do Brasil a Quito, após as declarações do assessor para assuntos internacionais da presidência brasileira, Marco Aurélio Garcia, de que a questão está superada. O embaixador brasileiro em Quito, Antonino Marques Porto, foi chamado para consultas em novembro, depois da decisão do Equador de recorrer à arbitragem internacional para não pagar o empréstimo de US$ 243 milhões concedido pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para a construção da hidrelétrica de San Francisco, a cargo da Odebrecht.

Segundo o Equador, o dinheiro do BNDES foi entregue diretamente à Odebrecht, expulsa do país devido às diversas falhas que a usina de San Francisco apresentou apenas um ano após sua entrega. A chancelaria "espera que o breve retorno do embaixador do Brasil contribua para fomentar os tradicionais laços de amizade e de cooperação entre os dois países", destaca o comunicado oficial. Marco Aurélio García deu por terminada a tensão criada entre Brasil e Equador no caso envolvendo o BNDES.

Quito manifesta "sua especial satisfação com as expressões que dão fim à crise envolvendo a arbitragem sobre o caso da empresa Odebrecht, e que o embaixador do Brasil possa voltar ao Equador", destacou o comunicado emitido nesta quinta-feira.

Os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Rafael Correa se encontraram na semana passada, na Bahia, durante a Cúpula da América Latina e do Caribe. O líder equatoriano pediu a Lula o rápido retorno de Marques Porto a Quito, para normalizar as "fraternas relações bilaterais".

Na ocasião, Lula teria dito a Correa que era preciso deixar o caso "esfriar", passar as festas de final de ano, antes de uma decisão.