Governo russo teme aumento de distúrbios sociais com crise econômica

Agência AFP

MOSCOU - O ministério russo do Interior advertiu nesta quarta-feira para o risco de que a atual crise econômica provoque uma escalada de distúrbios sociales, informou a agência RIA Novosti.

- A situação atual pode agravar os protestos provocados pelo descontentamento entre os trabalhadores por salários não pagos ou ameaças de demissões, assim como pelas medidas impopulares adotadas como parte do programa anticrise do governo - afirmou o vice-ministro do Interior, Mikhail Sukhodolski.

Nos últimos dias foram registrados confrontos no porto de Vladivostok, sobre o Pacífico, entre a polícia e manifestantes que protestavam contra um aumento das taxas sobre os veículos importados. Sukhodolski afirmou ainda que a crise pode provocar um aumento da criminalidade entre os indigentes e os imigrantes.

- A realidade é que o país pode efrentar um aumento significativo de elementos marginais sem meios de vida - alertou.

- Há uma preocupação especial relacionada com os imigrantes ilegais, assim como com os trabalhadores estrangeiros em situação legal, mas enganados por seus empregadores. Já é possível estabelecer certo aumento de crimes cometidos por estrangeiros - acrescentou.

Muitos operários da construção civil e de atividades que exigem pouca qualificação procedem na Rússia das pobres antigas repúblicas soviéticas da Ásia central.

Quase 250 operários tadjiques cruzaram os braços este mês na cidade russa de Ekaterimburgo, para protestar por salários atrasados. Segundo o jornal Kommersant, esta foi até o momento a maior greve na Rússia desde o agravamento da crise econômica e financeira mundial.