Bancada sunita sofre racha no parlamento do Iraque

REUTERS

BAGDÁ - Um quarto da bancada da Frente da Concordância, maior bloco sunita do Iraque, deixou o grupo nesta quarta-feira, enfraquecendo significativamente a atuação política dessa minoria que dominou o país durante décadas. Dez parlamentares deixaram o bloco por discordarem de colegas ligados ao Partido Islâmico Iraquiano, disse Khalaf Al Ilayan, dirigente do Conselho Iraquiano do Diálogo Nacional, um dos partidos que compõem o bloco.

- Devido ao fracasso da Frente da Concordância em cumprir sua missão e às ações unilaterais do Partido Islâmico, declaramos que a Frente da Concordância foi dissolvida - disse ele em entrevista coletiva.

Mas outros membros da Frente, que ainda mantém cerca de 30 das 275 cadeiras no Parlamento, insistiram que a Frente da Concordância está sólida.

O racha no bloco, surgido em meio à onda de sectarismo que antecedeu às eleições de 2005, gera dúvidas sobre a unidade política dos árabes sunitas do Iraque, muitos dos quais continuam ressentidos, cinco anos depois de perderem a primazia política que tinham sob o regime de Saddam Hussein. A invasão norte-americana de 2003 deu lugar a um governo liderado pela maioria xiita.

Na terça-feira, o presidente do Parlamento, Mahmou Al Mashhadani, sunita que integra o Diálogo Nacional, renunciou ao seu cargo, agravando as tensões dentro da Frente.

Muitos sunitas que boicotaram a eleição anterior devem concorrer no pleito regional de janeiro, e é possível que esse grupo amplie o seu poder institucional.