Índia: líderes do grupo extremista Lashkar-e-Taiba são detidos

JB Online

RIO - Autoridades paquistanesas detiveram dois líderes do grupo extremista Lashkar-e-Taiba (LeT), principal suspeito de haver cometido os recentes atentados que ensangüentaram a capital financeira da Índia, Mumbai.

Segundo o primeiro-ministro paquistanês, Yusuf Raza Gilani, os presos são considerados por autoridades indianas como os principais organizadores dos ataques do fim do mês passado, que deixaram pelo menos 170 mortos. O premier confirmou que Zaki-ur-Rehman Lajvi e Zarar Shah estão detidos pelas autoridades e acrescentou que uma investigação mais ampla está sendo levada adiante.

De acordo com a imprensa indiana, o único sobrevivente dos 10 terroristas responsáveis pelos ataques Mohammad Ajmal Mohammad Amin Kasab, detido na Índia identificou Lajvi como organizador do comando. Já Shah, como suspeitam os investigadores, teria ficado encarregado dos telefones móveis e satélites usados durante a ação.

A polícia indiana indiciará Kasab e poderá mantê-lo sob custódia, para coletar mais provas antes de seu julgamento. As autoridades têm 90 dias para apresentar um formulário de acusação contra o suspeito.

Sob intensa pressão internacional, o Paquistão lançou uma operação no fim de semana contra organizações islamitas de caráter extremista em seu território. O empenho levou forças paquistanesas a deterem 16 pessoas, 15 delas num campo de refugiados na região da Caxemira, administrado por uma organização de caridade vinculada ao LeT.

Operação

Alguns dos detidos figuravam em uma lista de pessoas a serem extraditadas pelo governo indiano a Islamabad na semana passada, com base na suposta relação com os ataques a Mumbai.

O premier paquistanês, no entanto, negou que prisões tivessem ligação com a pressão feita pela Índia:

Qualquer ação que empreendermos será de interesse do Paquistão e seu povo sublinhou.

A chancelaria paquistanesa insiste que os suspeitos detidos sejam julgados em território paquistanês em vez de extraditados para a Índia.

Ontem, a Casa Branca pediu um enfoque mais agressivo do governo paquistanês contra o LeT.

O que esperamos é ver se ocorre uma mudança do Paquistão na maneira como trata o grupo sublinhou a porta-voz Dana Perino. Com o tempo, essa mudança traria bons resultados e algo que saudaríamos.