EUA: 40 governadores em dificuldade financeira pedem agilidade a Obama

Jornal do Brasil

WASHINGTON - Governadores de mais de 40 estados com problemas financeiros pressionaram nesta terça-feira o presidente eleito, Barack Obama, para receber logo a ajuda do plano multimilionário de reforço econômico projetado pelo democrata. Obama prometeu aos governadores que vai trabalhar rápido no projeto, que inclui corte de impostos e aumento no gasto público federal.

Pretendemos fazer o corte de impostos chegar aos bolsos das famílias de classe média pressionadas disse Obama em encontro na Filadélfia, na segunda viagem fora de Chicago desde a eleição.

Por conta da recessão provocada pela crise econômica nos EUA, a maioria dos estados enfrenta déficits orçamentários. Obama prometeu parceria com os governadores republicanos e democratas, sem preferências.

Eu não vou apenas pedir aos governadores que ajudem a implantar nosso plano de recuperação econômica disse. Eu vou ajudá-los a dar forma ao plano.

O vice-presidente eleito, Joe Biden, disse que a presença da governadora do Alasca, Sarah Palin, sua oponente na campanha eleitoral, era um sinal de que os dois partidos agora estão unidos. O encontro ocorreu no histórico Salão do Congresso e colocou frente a frente antigos e futuros rivais políticos.

Os governadores querem que Obama providencie aos menos US$ 40 bilhões para ajudar no pagamento de assistência à saúde dos pobres e mais US$ 136 bilhões para projetos de infra-estrutura, como reparos de estradas e pontes.

O pedido bilionário tem lugar em meio a previsões alarmantes de que os governos estatais, afetados por uma contração de crédito devido à crise financeira, se vejam obrigados a fazer fortes cortes nos serviços sociais.

Na segunda-feira, o governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger, advertiu que seu enorme Estado, que por si só seria a sexta maior economia do mundo, se encaminha para um desastre fiscal. Os governadores dizem que ou terão de reduzir serviços como os de saúde e educação ou subir os impostos, uma decisão que atrasaria a recuperação, segundo eles, a não ser que tivesse ajuda do governo federal.

Nesta quarta-feira, Obama dará a quinta coletiva de imprensa desde que começou a nomear os membros de seu gabinete. O assunto do encontro ainda não foi divulgado.

Atentados

O risco de atentados terroristas realizados com armas nucleares ou biológicas aumenta, particularmente nos Estados Unidos, segundo um informe do Congresso americano disponível na internet.

O documento precisa que a ameaça terrorista tem sua principal origem no Paquistão.

- Senão colocarmos em prática medidas muito rápidas e firmes, é mais do que provável que utilizem uma arma massiva em um ataque terrorista em algum lugar do mundo, até o fim de 2013. Diminuiu a margem de segurança nos Estados Unidos - considera no documento a Comissão sobre a Prevenção e a Proliferação de Armas de Destruição em Massa e do Terrorismo, instância bipartidária criada pelo Congresso no ano passado.

A organização entrevistou mais de 200 especialistas com o objetivo de elaborar um informe para Obama. Washington considera que os talibãs e a Al Qaeda reconstruiram seus refúgios nas zonas tribais de fronteira entre Paquistão e Afeganistão.

- O Paquistão é nosso aliado, mas há um sério risco de que o Paquistão seja berço involuntário de um atentado terrorista aos EUA, até com armas de destruição em massa - assegura o documento, que destaca as armas biológicas como um risco maior agora, pelo fácil acesso.

O Comitê recomenda que se tomem medidas internacionais para tornar mais seguros os depósitos de materiais nucleares e de lutar contra o tráfico de tecnologia nuclear.