G20: Calderón pedirá maior participação de emergentes

Agência ANSA

CIDADE DO MÉXICO - O presidente do México, Felipe Calderón, irá propor durante a Cúpula do Grupo dos 20 países desenvolvidos e em desenvolvimento em Washington uma presença mais equilibrada dos países emergentes na tomada de decisões sobre as políticas financeiras mundiais.

Em coletiva de imprensa, junto ao mandatário colombiano Álvaro Uribe, Calderón adiantou qual será a postura do México nos dias 14 e 15 de novembro nos Estados Unidos e propôs uma articulação de planos de estímulos sincronizados para atenuar os efeitos da crise financeira.

O presidente também enfatizou que irá propor a aplicação de esquemas semelhantes ao posto em prática em seu país, como as medidas anticíclicas e a iniciativa de injetar recursos em projetos de investimentos que gerem empregos.

O encontro do G20 - formado pelos países do G7 (Estados Unidos, Canadá, Japão, Alemanha, Grã-Bretanha, Itália e França), e a Rússia, com o qual formam o G8; mais Brasil, Arábia Saudita, Argentina, Austrália, China, Coréia do Sul, Índia, Indonésia, México, África do Sul e Turquia; e União Européia como bloco de países - começará com um jantar na sexta-feira e se estenderá a sessões de trabalho ao longo do dia seguinte.

O principal tema do encontro será a discussão de saídas à crise econômica mundial.O presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, viajará nesta quinta-feira para Washington para participar do encontro. Lula iniciou no domingo uma visita de cinco dias à Itália, que inclui encontro com o premier italiano, Silvio Berlusconi, e com o Papa Bento XVI.