Líderes ibero-americanos aprovam declaração sobre crise financeira

Agência AFP

SAN SALVADOR - Os líderes ibero-americanos aprovaram nesta quinta-feira uma declaração sobre a conjuntura econômica internacional, na qual defendem a convocação de uma reunião de chefes de Estado e de Governo nas Nações Unidas.

A declaração prevê a realização de consultas - para se avaliar a oportunidade de uma reunião de emergência entre os chefes de Estado e de Governo, nas Nações Unidas, diante da gravidade da crise financeira - mundial.

Os líderes destacam que - não se deve subestimar os potenciais efeitos da crise sobre a economia real, e nem sobre a estabilidade política e social da região.

O grupo também - reafirma seu compromisso de adotar as medidas necessárias para proteger empregos e investimentos, garantir a disponibilidade de financiamento para as atividades produtivas e impulsionar políticas sociais que beneficiem, em particular, os setores mais vulneráveis.

Também recordaram a "responsabilidade" do sistema financeiro dos países desenvolvidos na atual crise e concordaram na importância de que a comunidade ibero-americana - participe ativamente na determinação da resposta internacional - ao problema que afeta todo o planeta.

Os ibero-americanos estão - determinados a participar e a contribuir ativamente em um processo de transformação profunda e ampla da arquitetura financeira internacional - que contemple instrumentos de prevenção e resposta imediata a futuras crises e garanta uma regulação eficaz dos mercados internacionais.

Os líderes regionais destacaram ainda a importância da - participação universal, democrática e equitativa - no debate e na solução da atual crise financeira internacional.

Em seu discurso durante a Cúpula, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu um acordo global para se enfrentar uma crise que - adquiriu um caráter sistêmico e estrutural e que não poderá ser contida sem um esforço de coordenação internacional.

- Este esforço de coordenação será ineficaz e injusto se não levar em conta os países em desenvolvimento, destacou o presidente, que pediu uma - refundação dos mecanismos de governança mundial, com mais participação dos países em desenvolvimento.

Lula assistirá no dia 15, em Washington, a reunião dos líderes do Grupo dos 20; um clube que congrega o Grupo dos Oito países mais industrializados do mundo e vários emergentes; entre eles Brasil, Argentina e México.

O presidente afirmou que - é preciso repensar os organismos financeiros internacionais para lhes dar a indispensável capacidade regulatória.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais