EUA: para candidato John McCain, a mídia está a favor de Obama

Richard Perez-Pena e Elisabeth Bumiller, JB Online

WASHINGTON - Alegando que a mídia está a favor dos democratas, o senador John McCain e a governadora Sarah Palin atacaram o Los Angeles Times por ter se recusado a exibir um vídeo, feito há cinco anos, de Barack Obama em um jantar elogiando um defensor dos direitos palestinos.

O vídeo mostra uma reunião em Chicago para Rashid Khalidi, amigo de Obama, professor e escritor que critica Israel. Obama falou no jantar, em que outros oradores compararam Israel e israelenses a terroristas. A campanha de McCain disse que a fita poderia mostrar como Obama reagiu a afirmações anti-Israel.

O Los Angeles Times disse que recebeu o vídeo sob a condição de não mostrá-lo para mais ninguém. Matéria publicada em abril revelou a existência da fita e descreveu o jantar. O texto dizia que, durante um discurso, Obama falou de freqüentes discussões com Khalidi e jantares em sua casa, e também conclamou as pessoas do Oriente Médio a chegarem a um acordo.

Não estou a fim de falar sobre tendências da mídia, mas e se houvesse uma fita com John McCain usando uma roupa neo-nazista nas mãos de algum veículo de comunicação? indagou McCain numa entrevista na rádio WAQI em Miami. Acho que o tratamento seria um pouco diferente.

Segundo a matéria do jornal sobre o jantar, um orador leu um poema acusando Israel de terrorismo e outro comparou os fundadores do West Bank a Osama bin Laden.

O que não sabemos é como Barack Obama respondeu a essas calúnias sobre um país que ele diz apoiar, e por que o jornal que tem essa fita se recusa a divulgá-la disse Palin num comício em Ohio. Deve ser ótimo para um candidato ter grandes organizações midiáticas cuidando de seus interesses.

Doyle McManus, chefe do escritório em Washington do jornal, disse que estava sendo injustamente espinafrado por um acordo com uma fonte que outrora era rotineiro.

Ataques negativos

Rick Davis, chefe de campanha de McCain, expressou frustração nesta quinta-feira por causa de anúncios negativos da campanha de Obama que não são lembrados como os ataques na propaganda de McCain. Um novo texto que circula pró-Obama traz em sua essência inúmeros links entre McCain e Bush, e sobre políticas econômicas. Para Davis, Obama tem passe livre nas agressões:

Nas últimas duas semanas, ele atacou Sarah Palin diversas vezes e trouxe à tona questões sobre Bush. Se vocês falassem da associação dele com William Ayers ou Rashid Khalidi, seria incrível, mas vocês (jornalistas) não fazem isso! O Obama pode até fazer uma campanha de milhões sem responsáveis!

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais