Crise financeira tira brilho e glamour da Feira dos Milionários

Agência AFP

MUNIQUE - A atual crise finaneira planetária fez com que a cidade alemã de Munique resolvesse realizar com muita discrição neste fim de semana a 16a. Feira dos Milionários, sem a extravagância e o luxo que marcaram as edições anteriores.

Pouco antes da inauguração do evento, uma espécie de grande supermercado itinerante da opulência e extravagância, várias associações anticapitalistas locais se manifestaram para protestar por sua realização.

Klass Simon Obma, organizador do salão, espera, no entanto, que cerca de 20.000 pessoas visitem a feira que, em seus 16,00 m2, expõe cerca de cem empresas de produtos de luxo.

Entre esses objetos requintados, destacam-se um caddie de golfo teledirigido, um piano que toca sozinho ou a maior tela de televisão LCD do mercado (103 polegadas, ou seja, 2,62 metros2).

Pierre Siegling, um dos expositores, cujos objetos esportivos custam a partir de 6.000 euros, confessa, no entanto, que as vendas estão baixas este ano.

- As pessoas estão vindo principalmente para olhar e serem vistas - queixou-se.