Bon Jovi reprova uso de sua música em comícios de Sarah Palin

REUTERS

LOS ANGELES - O roqueiro e democrata Jon Bon Jovi tornou-se o mais recente músico a reclamar sobre o fato de a campanha presidencial do republicano John McCain utilizar músicas sem a aprovação dos artistas.

Bon Jovi, que promoveu um jantar de angariação de fundos de US$ 30 mil por pessoa para o candidato democrata Barack Obama em sua casa em Nova Jersey em setembro, disse que ficou surpreso ao ouvir a canção 'Who Says You Can't Go Home' de sua banda sendo usada em comícios da candidata republicana à vice-presidência Sarah Palin esta semana.

"Fizemos essa música como um agradecimento aos que nos apoiaram ao longo dos últimos 25 anos. A canção se tornou um bandeira para o nosso Estado de Nova Jersey e o tema para nossas parcerias no país para construir casas e reconstruir comunidades. Embora não tenham nos consultado, não aprovamos o uso da música", disse Bon Jovi, em um comunicado ao site de celebridades TMZ.com.

A banda de rock Heart mandou uma carta para a campanha republicana para pedir que sua canção 'Barracuda' não fosse utilizada em comícios. A música chegou a ser um tema não-oficial para Palin, e fazia referência ao apelido 'Sarah Barracuda', recebido pela candidata durante os tempos de escola.

Em agosto, o roqueiro Jackson Browne processou McCain, o Comitê Nacional Republicano e o Partido Republicano de Ohio, acusando-os de usar seu hit 'Running on Empty' em um anúncio de campanha sem a sua permissão.

Músicos normalmente têm pouco controle sobre como suas músicas são usadas por causa do sistema que licencia as canções para exibições públicas, baseado em uma taxa paga à Ascap, empresa que recebe os royalties no lugar dos artistas e proprietários de direitos autorais.

A canção 'Barracuda' e 'Who Says You Can't Go Home' de Bon Jovi são licenciadas para exibições públicas no site da Ascap.

Stevie Wonder, Kanye West, Sheryl Crow e outros músicos lançaram na semana passada um álbum com canções utilizadas em comícios de Obama. Chamado 'Yes We Can: Voices of a Grassroots Movement', o álbum está sendo vendido para levantar verbas para os democratas antes das eleições de 4 de novembro.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais