Ex-chanceler Aso é favorito para ser premiê do Japão

REUTERS

LONDRES - O ex-chanceler Taro Aso aparece na sexta-feira como favorito diante de seis rivais para se tornar o próximo primeiro-ministro do Japão. O governista Partido Liberal Democrático (PLD) torce por uma disputa aguerrida para recuperar sua densidade eleitoral.

Aso, 67 anos, é partidário de um aumento dos gastos públicos para estimular a economia, à beira de recessão. Ele anunciou na sexta-feira sua candidatura à sucessão de Yasuo Fukuda, que renunciou repentinamente na segunda-feira.

- Minha missão será enorme. Farei um apelo pela recuperação da economia e por atenuar a ansiedade das pessoas - disse Aso, vice-líder do partido, em entrevista coletiva.

Diante da perspectiva de uma eleição antecipada, analistas dizem que uma disputa interna entre muitos candidatos ajudará o PLD a convencer o público de que há um real debate político e que é preciso esquecer Fukuda.

- Eles não estão a sério. Estão só atuando como num show, cujo propósito é enganar o eleitorado a pensar que esta é uma quase eleição geral - disse Koichi Nakano, professor de Ciência Política da Universidade Sophia, de Tóquio.

- Se Aso emergir como vencedor de uma disputa animada, as pessoas podem achar que devem lhe dar uma chance caso ele convoque uma eleição.

A eleição interna do PLD está marcada para o dia 22, e o vencedor terá praticamente certeza de se tornar premiê, devido à maioria que o partido tem na Câmara.

Há crescentes especulações de que o novo governante convocará eleições antecipadas para se aproveitar da sua previsível popularidade de recém-chegado. A eleição para a Câmara está prevista só para 2009.

Fukuda passou menos de um ano no cargo e viu sua popularidade cair abaixo de 30 por cento, devido a dificuldades de lidar com a oposição, que domina o Senado e pode obstruir projetos.

O ex-ministro da Defesa Shigeru Ishiba, de 51 anos, também anunciou sua candidatura numa entrevista coletiva na sexta-feira, garantindo ter os apoios necessários. Ele é reconhecido como especialista em política externa, mas pouco se sabe sobre suas idéias econômicas.

Kaoru Yosano, ministro da Economia e defensor de um aumento do imposto sobre consumo, que é de 5 por cento, deve também concorrer.

Yuriko Koike, que também já ocupou o Ministério da Defesa, admitiu que talvez não consiga o apoio de 20 parlamentares do partido, condição básica para entrar na disputa e tentar se tornar a primeira mulher a ocupar o cargo de premiê do Japão.

- As condições foram estabelecidas ontem (quinta-feira), o céu estava claro, mas sinto que está ficando um pouco nublado.