Viúvo de Benazir Bhutto é franco favorito à presidência do Paquistão

Agência AFP

ISLAMABAD - Asif Ali Zardari, viúvo da ex-primeira-ministra Benazir Bhutto, será muito provavelmente eleito presidente do Paquistão no sábado, por uma maioria parlamentar fragilizada, num país assolado pelos ataques dos islamitas próximos à Al-Qaeda.

Zardari vai suceder Pervez Musharraf, forçado a renunciar dia 18 de agosto por uma coalizão de partidos da oposição que venceu nas legislativas de fevereiro.

O viúvo de Bhutto era desconhecido fora de seu país, antes do assassinato de sua mulher, em um ataque suicida em plena campanha eleitoral em 27 de dezembro passado.

Em seu próprio país, antes de assumir as rédeas do Partido do Povo Paquistanês (PPP) poucos dias depois do atentado, Zardari encarnava o símbolo da corrupção do poder nos anos 90.

A ascensão à presidência do chamado "Mister 10%" (em referência às comissões que teria cobrado antes de se beneficiar de uma anistia no fim de 2007) não deveria mudar nada na paisagem política a curto prazo: Zardari dirige de fato o país desde março, como líder do primeiro partido da coalizão governista.

Na votação de sábado participarão os membros das duas câmaras do Parlamento e das quatro assembléias provinciais.

Os outros dois candidatos declarados, o advogado Saeed-uz-Zaman Siddiqui, apoiado pelo partido de Sharif, e Mushahid Hussain, próximo a Musharraf, devem obter apenas alguns votos.