Tempestade Hanna mata pelo menos 25 pessoas no Haiti

REUTERS

NASSAU - A tempestade tropical Hanna atingiu partes do Haiti na terça-feira, provocando avalanches nas encostas dos morros, matando pelo menos 25 pessoas.

No mesmo dia, uma nova tempestade tropical, Josephine, formava-se perto da África na esteira da tempestade Ike. As duas locomoviam-se para o oeste enquanto o furacão Gustav desaparecia depois de ter atingido a costa norte-americana nas proximidades de Nova Orleans.

A seqüência de tempestades no Atlântico confirma as previsões sobre uma temporada de furacões mais agitada que o normal e traduz-se em notícias preocupantes para as instalações norte-americanas de petróleo e gás no golfo do México, para os milhões de moradores do Caribe e da costa dos EUA e para os produtores rurais que temem o alagamento de seus campos de cultivo.

O governo norte-americano previu que haverá de 14 a 18 tempestades tropicais durante os seis meses da temporada que se iniciou no dia 1º de junho, um número maior do que a média histórica de dez. O Josephine já é a décima tempestade, tendo surgido antes do pico estatístico da temporada, no dia 10 de setembro.

Na noite de terça-feira, o Hanna atingia a ilha Great Inagua (Bahamas) com ventos de 100 quilômetros por hora, afirmou o Centro Nacional de Furacões (NHC), um órgão dos EUA.

Nesta quarta-feira ou na quinta, o fenômeno meteorológico deve ganhar força novamente para transformar-se em um furacão de Categoria 1 na escala Saffir-Simpson, com ventos de ao menos 119 quilômetros por hora.

O Hanna trouxe chuvas torrenciais sobre o sudeste das Bahamas, as ilhas Tuks e Caicos (território britânico), o Haiti e a República Dominicana.