Presidente ucraniano denuncia início de golpe de estado

Agência ANSA

MOSCOU - A Ucrânia passa por uma nova crise política após o presidente Viktor Iushenko ter anunciado a ruptura da coalizão do governo e ter acusado o premier Iulia Timoshenko de iniciar um golpe de Estado no país.

- Começou um golpe de Estado anticonstitucional - disse Iushenko em rede nacional.

O presidente anunciou hoje que dentro de um mês deve ser formada uma nova coalizão governista. Caso contrário, o Parlamento será dissolvido e serão convocadas novas eleições, a terceira em três anos.

Pouco depois, os ministros do partido governista Nossa Ucrânia deixaram o governo e iniciaram consultas políticas, segundo afirmou o vice-primeiro-ministro Ivan Vasiunik em declarações à agência Itar-Tass.

- Os ministros do Nova Ucrânia não consideram razoável participar da reunião do governo - completou Vasiunik.

Durante a madrugada, o partido do governo votou majoritariamente pela saída da coalizão laranja no poder.

Para Iushenko, a decisão "é uma ação bem planejada", pois, segundo ele, já foi formada uma nova coalizão "formada pelo Partido das Regiões, o Bloco Iulia Timoshenko e o Partido Comunista".

Iushenko também foi abalado pelas medidas aprovadas hoje, que reduzem os poderes presidenciais, em especial dando ao governo a possibilidade de exonerar ministros das Relações Exteriores e da Defesa [decisão que era exclusiva ao presidente] e facilitando processos para pedidos de julgamentos políticos contra um chefe de Estado.