Protestos na Bolívia obrigam Morales a usar aeroporto do Brasil

REUTERS

LA PAZ - O presidente da Bolívia, Evo Morales, foi obrigado a utilizar um aeroporto em um município de Rondônia para fugir de grupos radicais opositores, em um novo episódio do conflito político boliviano, informaram fontes do governo nesta quinta-feira.

Grupos de choque ligados aos governadores que se opõem a Morales tomaram os aeroportos das cidades amazônicas de Riberalta e Guayaramerín, a cerca de mil quilômetros de La Paz, impedindo o reabastecimento do helicóptero que Morales usava para voltar a La Paz, segundo as fontes.

O presidente boliviano, que viajava à região, vizinha ao Brasil, para assinar um contrato de estudo de um grande projeto hidroelétrico, teve que ir por terra até a cidade de Guajará-Mirim, em Rondônia, onde entrou em um avião militar boliviano quase à meia-noite.

A prefeitura de Guajará-Mirim confirmou o vôo. A cidade fronteiriça, a 347 km de Porto Velho, tem um aeroporto com destacamento da Aeronáutica, pista asfaltada, mas sem torre de controle de vôo.

- Foi a melhor solução ir por terra até Guajará-Mirim, porque ali havia um aeroporto que dava todas as seguranças técnicas, com pista asfaltada e iluminação - disse nesta quinta-feira à rádio Erbol o ministro de Hidrocarbonetos e Energia, Carlos Villegas, que acompanhava Morales.

Os ativistas da região boliviana chegaram inclusive a apedrejar o helicóptero presidencial, mas Morales não estava a bordo no momento, segundo Villegas.