Obama diz que sua viagem internacional tranquilizará eleitores

REUTERS

BERLIM - O candidato democrata à Presidência dos EUA, Barack Obama, espera que sua visita à Europa e ao Oriente Médio convença os eleitores norte-americanos de que podem confiar nele, afirmou em uma entrevista divulgada na sexta-feira.

- Essa viagem me permitiu falar sobre algumas questões fundamentais com as quais nos deparamos - disse Obama em uma entrevista exibida pelo canal de TV CNBC.

- E também me permitiu enviar uma mensagem à população norte-americana de que as decisões que tomei e as decisões que tomarei são as decisões que resultarão em um maior grau de segurança para eles - acrescentou. Não se sabe exatamente quando a entrevista ocorreu.

Obama tenta afastar alguns dos receios manifestados pelo eleitorado norte-americano e responder a acusações feitas por seu adversário republicano, John McCain, de que ele carece, em questões de política internacional, da experiência necessária para comandar os EUA.

McCain é um veterano da Guerra do Vietnã e fez da segurança nacional o principal foco de sua campanha. Já o democrata de 46 anos é senador em primeiro mandato pelo Estado de Illinois.

Em um longo discurso proferido diante de 200 mil pessoas em Berlim, na quinta-feira à noite, Obama conclamou a Europa a ficar ao lado dos EUA e ressaltou a importância de haver unidade em face dos novos perigos globais.

- Nos últimos anos e desde o princípio desta campanha, acreditei piamente que não podemos resolver sozinhos os problemas com que nos deparamos nos EUA - afirmou à CNBC.

- Vamos ser mais eficientes se formarmos uma coalizão internacional - disse.

Repetindo a mensagem que divulgou no discurso de quinta-feira, Obama citou como áreas nas quais os EUA e a Europa deveriam colaborar mais intensamente as mudanças climáticas, as políticas energéticas, o Afeganistão e o Irã.

O democrata, que foi recebido como uma estrela do rock na capital alemã, viaja para Paris ainda na sexta-feira. Na semana passada, ele visitou o Afeganistão, o Iraque e Israel.