Prossegue o resgate de vítimas do terremoto no Japão

Agência AFP

TÓQUIO - As equipes de resgate trabalham embaixo de chuva e em meio a uma espessa neblina no norte do Japão em busca de vítimas do forte terremoto que deixou mais de 100 feridos na madrugada desta quinta-feira.

O tremor, de magnitude 6,8 na escala Richter, sacudiu pouco depois da meia-noite as prefeituras de Iwate e Aomori, no norte da ilha de Honshu, uma região montanhosa já afetada, em 14 de junho, por um terremoto de 7,2 graus que causou 13 mortes e 10 desaparecidos.

Os helicópteros militares entraram em ação logo cedo para tentar localizar possíveis sobreviventes presos, mas a chuva e a neblina dificultam as tarefas.

O governo central de Tóquio ativou uma célula de crise.

Na capital, o tremor fez os prédios balançaram, apesar de Tóquio estar a 500 km do epicentro.

Um primeira réplica do tremor, de magnitude 5 na escala Richter, ocorreu horas depois, mas os sismólogos acreditam que o número de réplicas deve ser escasso, já que o tremor inicial aconteceu numa grande profundidade (120 km abaixo da superfície).