Carla Bruni diz que adora Sarkozy por seus 'seis cérebros'

REUTERS

PARIS - Em um livro a ser lançado esta semana, a primeira-dama da França conta como se apaixonou perdidamente pelo presidente Nicolas Sarkozy, graças não apenas a seu físico, mas também a seus 'cinco ou seis cérebros'.

Carla Bruni-Sarkozy vem se mantendo discreta desde que seu romance fulminante com Sarkozy culminou com o casamento deles, em fevereiro, mas ela finalmente revela algo sobre o relacionamento em 'Carla and Nicolas, The Real Story' (Carla e Nicolas, a história real).

- Tudo aconteceu de repente. Eu não esperava alguém tão divertido, tão cheio de vida. Fui seduzida por seu físico, seu charme e sua inteligência - ela conta aos autores do livro, de acordo com trechos publicados nESTA quarta-feira na revista Le Point.

- Ele possui cinco ou seis cérebros que são notavelmente irrigados - disse a ex-supermodelo, acrescentando que Sarkozy consegue processar o que dizem as pessoas à sua volta ao mesmo tempo em que está lendo, não importa o adiantado da hora.

O livro relata a história de amor francesa mais comentada em anos. A cantora de 39 anos conta como desconfiou que estivesse sendo levada a um encontro com um desconhecido depois de Sarkozy pedir a um amigo que organizasse um jantar, em novembro.

- Na verdade, assim que cheguei me dei conta de que era um encontro às escuras. Um encontro às escuras, mas não tão às escuras assim - disse ela. - Havia três casais e nós dois, duas pessoas solteiras - acrescentou.

Sarkozy só teve olhos para ela durante o jantar e a levou para casa na madrugada. De acordo com o livro, o presidente voltou à casa de Carla na noite seguinte para um jantar à luz de velas.

Falando de sua vida como primeira-dama, Bruni-Sarkozy disse que não pretende abrir mão de sua carreira como cantora.

- Não pretendo mudar de trabalho. Tenho uma função, mas não é um trabalho - disse ela, explicando que herdou sua função do casamento.

Além de trabalhar em seu próximo álbum, previsto para chegar às lojas em 21 de julho, Bruni-Sarkozy disse que vai procurar dar apoio a seu marido. - Eu me preocupo com ele, freqüentemente. Ele trabalha incrivelmente duro. Procuro ajudá-lo a relaxar - explicou.