Coréia do Norte é "ameaça séria", diz secretário dos EUA

REUTERS

CORÉIA DO SUL - A Coréia do Norte representa uma séria ameaça à segurança e as forças norte-americanas estão prontas para reagir rápida e decisivamente a qualquer ataque, disseram líderes militares e o secretário de Defesa norte-americano, Robert Gates, na terça-feira.

Os Estados Unidos tentam convencer a Coréia do Norte a aderir a um acordo internacional de desarmamento e suspender seu programa nuclear, em troca de ajuda e vantagens diplomáticas para o empobrecido país asiático.

- Temos um sério adversário na zona desmilitarizada do Norte. Por isso temos essa aliança - disse Gates a repórteres durante uma cerimônia para marcar a troca de comando das forças norte-americanas na Coréia do Sul.

Os Estados Unidos têm cerca de 28 mil militares no país, para dar apoio ao Exército de 670 mil sul-coreanos. A Coréia do Norte posiciona a maior parte de seu Exército de 1,2 milhão de homens perto da área desmilitarizada que divide a península desde a Guerra da Coréia (1950-53).

Gates e o ministro da Defesa sul-coreano, Lee Sang-hee, se encontraram antes da cerimônia e concordaram em manter o número de soldados, disse o Ministério em um comunicado.

O general Walter L. Sharp, que assumiu o comando das forças norte-americanas na Coréia, disse que os aliados estão prontos para deter qualquer agressão da Coréia do Norte com "poder de fogo imediato e esmagador".

- Estamos prontos para reagir rápida e decisivamente contra quaisquer tentativas de ameaça à segurança da República da Coréia (Coréia do Sul)- disse Sharp.

Na sexta-feira passada, a Coréia do Norte, que tem mais de mil mísseis, dos quais pelo menos 800 são balísticos, assustou ao lançar mísseis de curto alcance da costa oeste.

Especialistas dizem que a Coréia do Norte, que testou artefatos nucleares desde 2006, desenvolveu um arsenal de mísseis de curto alcance para ameaçar Seul e as bases sul-coreanas e norte-americanas perto de suas fronteiras, fortemente armadas.

- Nunca mais podemos permitir que a República da Coréia esteja despreparada para um ataque - disse o comandante norte-americano, general B.B Bell, que está deixando o posto de comando na Coréia do Sul.