Espanha investiga suposta ligação entre Farc e ETA

REUTERS

MADRI - O Ministério Público espanhol está investigando a suposta relação do grupo separatista basco ETA com a guerrilha colombiana Farc e já solicitou a Bogotá que envie toda a documentação possível, disseram fontes judiciais nesta segunda-feira.

Em documento assinado pelo procurador-chefe Javier Zaragoza, a Espanha solicita informações sobre arquivos encontrados nos computadores que pertenciam ao dirigente das Farc Raúl Reyes, morto no começo de março numa ação militar colombiana no território do Equador.

A Interpol já concluiu que os arquivos apresentados pela Colômbia não foram adulterados, embora não tenha se manifestado sobre a veracidade de seu conteúdo - que sugere, por exemplo, apoio dos governos do Equador e da Venezuela à guerrilha.

Em emails, Reyes supostamente citava 'os amigos do ETA' e citava algumas personalidades colombianas que vivem em Madri e poderiam ser alvo de atentados, segundo as fontes judiciais.

O Ministério Público espanhol consulta também sobre supostos 'cursos de adestramento' recebidos por membros do ETA na Colômbia, ou se algum dirigente das Farc teria participado no País Basco de algum ato promovido pelos separatistas.

A petição solicita ainda à polícia e à Guarda Civil que preparem um relatório minucioso sobre vinculações 'históricas e atuais' entre ETA e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.