Desertora diz que guerrilhas das Farc estão rachando

REUTERS

BOGOTÁ - As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) estão se esfacelando devido a ações militares e deserções, disse uma das suas comandantes mais procuradas depois de se entregar às autoridades.

Nelly Avila Moreno, conhecida como "Karina", rendeu-se no fim de semana. Nos últimos meses, as Farc tiveram vários outros comandantes presos ou mortos.

- Não sei como eles estão no momento em nível nacional, só sei que estão rachando - disse Moreno em Medellín, onde foi apresentada a jornalistas. - Acho que as Farc estão dizimadas - enfatizou.

As autoridades dizem que Moreno foi responsável por massacres, seqüestros e ataques na província de Antioquia, onde comandava parte da 47ª Frente das Farc. Ela disse que há dois anos não tinha contato com a cúpula da organização.

A guerrilha, que surgiu na década de 60 com o objetivo de mobilizar camponeses na instauração do socialismo, transformou-se nos últimos tempos em parte do negócio colombiano da cocaína.

Apesar das freqüentes ações militares, o grupo ainda atua em áreas remotas e mantém dezenas de reféns que pretende trocar por guerrilheiros presos.

O governo está oferecendo recompensas financeiras pela captura de comandantes da guerrilha. Neste ano, um importante dirigente foi morto por subordinados, que levaram uma mão do homem às autoridades e pediram a recompensa.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais