Conservador leva prefeitura de Londres

Agência AFP

LONDRES - O conservador Boris Johnson, um ex-jornalista de 43 anos, foi eleito prefeito de Londres, derrotando o trabalhista Ken Livingstone, de 63, segundo resultados definitivos divulgados na noite desta sexta-feira.

- Foi uma disputa maratônica - declarou Johnson no discurso da vitória, no qual homenageou Livingstone, que "tem a admiração de milhares de londrinos".

- Não penso nem um minuto que esta eleição mostre que Londres se transformou da noite para o dia em uma cidade conservadora, mas espero que isto mostre que os conservadores se tornaram um partido no qual se pode confiar novamente - finalizou.

Ken Livingstone, que brigava por um terceiro mandato consecutivo em Londres, lamentou "não ter sido capaz de conquistar os pontos suplementares que nos levariam à vitória. A falha foi minha, por completo".

No total, Johnson recebeu 1.168.738 votos, contra 1.028.966 para Livingstone.

Para decidir quem seria o prefeito de Londres, cidade de quase 8 milhões de habitantes, foram considerados os votos em outros candidatos minoritários, que apontam uma segunda opção.

A perda de Londres é um duro golpe para o Partido Trabalhista, do premier Gordon Brown, que sofreu sua pior derrota em 40 anos nas eleições locais de quinta-feira na Inglaterra e no País de Gales.

Para os "tories", a conquista de Londres representa um apoio crucial às aspirações do líder do Partido Conservador, David Cameron, de obter o cargo de primeiro-ministro britânico nas eleições gerais de 2010.

Brown admitiu que os resultados foram ruins para os trabalhistas: "Está claro que foi uma noite decepcionante, uma má noite para os trabalhistas", mas "vamos aprender a lição e nos recuperar".

- Vou escutar e agir - disse Brown, descartando que a derrota vá tirá-lo do cargo.

Já Cameron qualificou a vitória de "grande momento" para seu partido, mas advertiu que o avanço não deve ser resultado apenas do fracasso do governo de Gordon Brown.

- Este é um grande momento para o Partido Conservador, mas que ninguém pense que devemos ganhar as eleições com as falhas do governo (trabalhista), devemos nos basear no nosso programa" para governar o país, declarou.