Ásia acerta cooperação sobre segurança alimentar

REUTERS

BALI - Os países do sudeste asiático reunidos em Bali acertaram uma cooperação no mercado de arroz, mas não chegaram a medidas concretas para lidar com a disparada dos preços de um dos alimentos mais básicos da região.

A questão da segurança alimentar roubou a cena no encontro de ministros do Comércio dos 10 membros da Associação de Nações do sudeste asiático (Asean), que ocorre neste final de semana na ilha indonésia.

- Os ministros asseguraram que o acesso a um fornecimento adequado e confiável de arroz e a estabilidade dos preços são fundamentais para o bem-estar social e econômico da região - disse a Asean em comunicado.

Para alcançar esse objetivo, a organização afirmou que os ministros reconheceram a necessidade de uma melhora na produtividade por meio da transferência de tecnologia e de pesquisa e desenvolvimento. Os ministros defenderam também a necessidade de tornar mais terras disponíveis para agricultura e de elevar os gastos tanto públicos quanto privados.

A ministra do Comércio da Indonésia, Mari Pangestu, disse em entrevista coletiva que mesmo que a Asean não tenha proposto "medidas concretas", o grupo "concordou muito fortemente em comunicar e cooperar entre si". Os preços do arroz na Ásia quase triplicaram neste ano.

O encontro do Banco Asiático de Desenvolvimento em Madri prometeu ajuda financeira, sem dar detalhes sobre a quantia que poderia ser oferecida por empréstimo, e pediu ação dos governos em todo o mundo.

O Banco Africano de Desenvolvimento ofereceu US$ 1 bilhão em ajuda alimentar e pediu que os países exportadores de grãos não impeçam os embarques.

Países como Índia, Vietnã, Indonésia e Brasil restringiram as exportações de alimentos em uma tentativa de assegurar o fornecimento doméstico e limitar a inflação. No sábado, a Guiné anunciou a montagem de um estoque de emergência, especialmente para arroz.