Obama diz que teve infância menos privilegiada que concorrentes

REUTERS

NOVA YORK - O pré-candidato democrata à Presidência dos Estados Unidos, Barack Obama, disse na quinta-feira que cresceu em circunstâncias menos privilegiadas do que seus rivais, numa tentativa de combater a imagem de "elitista" que tem entre alguns eleitores.

Em entrevista ao programa "Today Show", do canal norte-americano NBC, Obama tentou explicar uma série de atos falhos que permearam sua candidatura no último mês e levou alguns eleitores a concluir que ele é inacessível.

- A ironia é: eu acho que é justo dizer que tanto Michelle (esposa de Obama) quanto eu crescemos em circunstâncias muito menos privilegiadas que ambos os meus oponentes - disse Obama na entrevista, com a mulher ao seu lado.

O pai queniano de Obama foi bastante ausente durante a sua infância e sua mãe o criou com a ajuda dos avós.

Já Hillary Clinton cresceu em um rico subúrbio de Chicago. Ela é filha de um pequeno comerciante. O candidato republicano, John McCain, é filho e neto de almirantes da marinha.

A vantagem de Obama caiu nas últimas semanas devido aos comentários sobre raça feitos por seu ex-pastor e por falas do próprio Obama, em um evento para arrecadação de fundos em São Francisco, onde disse que os eleitores de cidades pequenas são "amargos" e "apegados" às armas e à religião.

- Quando fiz aqueles comentários em São Francisco, no fim de um longo dia, me expressei muito mal", disse Obama. "Eu devia ter dito ''irritados e frustrados'' em vez de ''amargos''. Eu devia ter dito que as pessoas ''se apóiam em sua fé durante os tempos difíceis'', em vez de dizer que ''se apegam - disse o pré-candidato.

Quanto ao reverendo Jeremiah Wright, Obama disse que não o criticou logo que ele fez as declarações polêmicas por causa de sua relação pessoal com o homem que fez seu casamento e batizou seus dois filhos.

- Achei importante dar a ele o benefício da dúvida. Se eu quisesse ser politicamente conveniente, teria me distanciado dele e o criticado na hora - disse Obama.

O pré-candidato disse ainda que as críticas são inevitáveis, devido à sua base internacional e ao seu stats de primeiro negro com boas chances de chegar à Casa Branca.

- Sejamos honestos. Aqui estou eu, um afro-americano chamado Barack Obama, tentando chegar à Presidência. É um grande salto - disse ele.