Bush dá boas-vindas a Bento XVI e diz que os EUA são país de fé

Agência EFE

WASHINGTON - O presidente americano, George W. Bush, deu hoje as boas-vindas ao papa Bento XVI e afirmou que os Estados Unidos são um país de fé e compaixão.

- Nossa nação lhe dá as boas-vindas e estimamos seu exemplo - disse Bush, durante uma cerimônia de boas-vindas ao papa Bento XVI, com quem se reunirá em particular no Salão Oval.

O país "está comovido e honrado por que o senhor tenha decidido visitar os EUA em seu aniversário", acrescentou Bush, ao agradecer também que, diante da ameaça do terrorismo, o papa propaga "a mensagem de que Deus é amor".

O líder americano disse que, nos EUA, o papa encontrará um país de "oração" e "compaixão", porque "os americanos acham que uma sociedade livre é medida por como trata os mais fracos e vulneráveis".

- Em nossa nação coexiste a fé e a razão - disse, ao destacar os esforços de seu país para erradicar as doenças, aliviar a pobreza e promover a paz em "lugares imersos na escuridão da tirania e da desesperança".

O papa, que hoje completa 81 anos, foi recebido com os fiéis cantando "feliz aniversário", uma interpretação do Pai-nosso da soprano Kathleen Battle e uma salva de 21 tiros de canhão.

Entre os mais de 9.000 convidados à cerimônia - uma das maiores, em quantidade de pessoas, já realizadas na Casa Branca -, estavam a primeira-dama, Laura Bush; o vice-presidente, Dick Cheney; a secretária de Estado, Condoleezza Rice; e a presidente da Câmara de Representantes, Nancy Pelosi.

A porta-voz da Casa Branca, Dana Perino, disse hoje que, em seu encontro com o papa, Bush não deve destinar muito tempo a assuntos relacionados à guerra no Iraque.