Ahmadinejad: 11/9 é um acontecimento duvidoso

Agência EFE

WASHINGTON - O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, disse nesta quarta-feira que os atentados de 11 de setembro de 2001, em Nova York e Washington, são um "acontecimento duvidoso", e acusou os Estados Unidos de ter utilizado o ataque como pretexto para invadir o Iraque e o Afeganistão.

Em discurso na cidade sagrada iraniana de Qom, Ahmadinejad também acusou as grandes potências - em referência, principalmente, aos EUA - de ser "arrogantes", "injustas" e "corruptas", e as responsabilizou pela morte e pelo deslocamento de mais de 100 milhões de pessoas no século XX.

- Há quatro ou cinco anos, ocorreu um acontecimento duvidoso em Nova York. Então (os EUA) disseram que cerca de 3.000 pessoas morreram, masnão anunciaram seus nomes - disse o líder iraniano, segundo a agência "Irna".

- Depois, utilizaram esse acontecimento como um pretexto para justificar seu ataque contra o Iraque e o Afeganistão (...). Suas agressões só no Iraque causaram a morte de mais de um milhão de pessoas, enquanto, no Afeganistão, dezenas de milhares de pessoas morreram ou foram obrigadas a se deslocar - acrescentou.

Ahmadinejad tinha se referido ao 11 de Setembro duas vezes desde o último dia 8, embora esta seja a primeira vez que expressa dúvidas sobre esses ataques.

Em seu discurso em Qom, o governante iraniano, cujo país - que professa a corrente xiita do Islã - tem divergências ideológicas com a Al Qaeda, não disse, no entanto, que acredita que o grupo terrorista pudesse estar por trás dos atentados em Nova York e Washington.

Em 8 de abril, quando o Irã comemorava o "Dia Nacional da Energia Atômica", Ahmadinejad acusou as grandes potências de ser "corruptas" e de utilizar o 11 de Setembro para invadir o Iraque, e previu seu "colapso".