Missão para tentar libertar Betancourt pode deixar hoje a França

Agência EFE

PARIS - A 'missão humanitária' que o presidente francês, Nicolas Sarkozy, decidiu enviar à Colômbia para tentar a libertação de Ingrid Betancourt sairá 'o mais rápido possível', disse o ministro de Assuntos Exteriores da França, Bernard Kouchner.

A missão será integrada por duas pessoas, entre elas um médico.

- Tudo o que humanamente pudemos fazer, fizemos - afirmou o chefe da diplomacia francesa.

Segundo Kouchner, 'agora é preciso esperar que nossos enviados especiais possam chegar ao local. Não é simples. Fisicamente e moralmente também é muito difícil'.

O ministro francês ressaltou que se trata de uma iniciativa feita por 'pessoas muito valentes'. Ele ainda afirmou que 'todos os presidentes latino-americanos desempenharam seu papel' após terem sido mobilizados por Sarkozy.

De acordo com a rádio francesa 'France Info', a missão humanitária deverá sair hoje ou, no máximo, amanhã.

Uma porta-voz da Presidência francesa contatada pela Agência Efe se negou a comentar a informação, alegando a necessidade de discrição por razões de segurança.

Por outro lado, o porta-voz do Governo da França, Luc Chatel, se recusou, em nome de 'uma melhor eficácia', a dar detalhes sobre a data de partida da missão, sua composição ou seu destino.

Em entrevista coletiva habitualmente concedida após o Conselho de ministros, Chatel se limitou a afirmar que Kouchner e o primeiro-ministro francês, François Fillon, discutiram o caso de Betancourt na reunião.

O porta-voz do Governo ainda afirmou que as iniciativas tomadas por Sarkozy tiveram eco 'internacional' e que existe 'uma vontade compartilhada de se mobilizar pela libertação de Ingrid Betancourt'.

Em uma conversa telefônica ontem à noite com o presidente colombiano, Álvaro Uribe, Sarkozy anunciou sua intenção de enviar uma 'missão humanitária para entrar em contato com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e conseguir acesso' a Betancourt, que está em 'risco de morte iminente', indicou o Palácio do Eliseu em comunicado.

Uribe informou da Colômbia que, a pedido de Sarkozy, serão suspensas as operações militares na região escolhida para a missão.

Nicolas Sarkozy fez um pedido ontem pela televisão ao chefe das Farc, Manuel Marulanda, para que liberte imediatamente Ingrid Betancourt, que está em poder da guerrilha desde fevereiro de 2002.