Grupo de produtores quer 1 mês de paz para negociar com Governo

Agência EFE

BUENOS AIRES - Horas depois de os produtores agropecuários da Argentina terem convocado para próxima quarta-feira um ato em defesa dos interesses do setor, há 20 dias parado, a Confederação de Associações Rurais de Buenos Aires e La Pampa (Carbap), que integra uma das quatro patronais em locaute, pediu 'uma trégua de 30 dias'para negociar com o Governo.

Apesar de ter dito que o campo continua 'muito firme' em suas reivindicações, Pedro Apaolaza, presidente da Carbap, destacou que é preciso 'mudar a estratégia do protesto', ao assinalar que o bloqueio ao abastecimento às grandes cidades deve parar.

- Entendi que amanhã as quatro entidades vão anunciar isso - disse Apaolaza em referência à trégua, antes de dar a entender que o setor agrário responderá desta forma à convocação da presidente argentina, Cristina Kirchner, para o diálogo.

O ato dos produtores rurais acontecerá na cidade de Gualeguaychú (270 quilômetros ao norte de Buenos Aires), epicentro de um dos maiores bloqueios viários.

Antes, o dirigente da Federação Agrária local, Alfredo De Angelis, tinha dito que o protesto será 'grande' e que dele participará a cúpula das quatro entidades agropecuárias mobilizadas.