Colonos judeus e exército de Israel em estado de tensão

Agência ANSA

GAZA - Permanece o estado de tensão dos colonos judeus na Cisjordânia e do Exército Israelense com os palestinos após a organização de um posto de controle em Rimonim, entre Ramallah e Jericó, medida que faz parte do "pacote" de medidas adotadas pelo governo do premier israelense, Ehud Olmert.

Os colonos afirmaram que sem esse posto de controle, os assentamentos da região estão expostos ao risco imediato de atentados palestinos.

Por este motivo, os colonos decidiram controlar o cruzamento da rua.

- Pretendemos criar no local um posto de controle - afirma Yishai Hollander, porta-voz dos colonos.

Segundo Hollander, a criação de um posto de controle em Rionin está prevista para as próximas horas.

O palestino morto ontem por um colono em Shilo (Ramallah) foi identificado como Abdel Latif Habub, de 22 anos. O palestino era originário da região de Hebron e estava inscrito na Universidade palestina de Bir Zeit (Ramallah).

Um grupo de rabinos nacionalistas da Cisjordânia entregou para Olmert um documento, onde afirma que permitir o fornecimento de armas e veículos blindados às forças de segurança palestinas "é colaborar com o inimigo" e ser co-responsável por um futuro derramamento de sangue.

Segundo as pessoas que assinaram o documento, entre elas os rabinos Dov Lior, David Druckman e Dov Wolfa, no passado membros da segurança da Autoridade Nacional palestina (ANP), já teriam cometido atentados.

Eles também advertem sobre o perigo eminente dessas armas "terminarem nas mãos do Hamas".