Betancourt começou greve de fome, segundo comitê

Agência AFP

PARIS - A refém franco-colombiana Ingrid Betancourt, seqüestrada há mais de seis anos pela guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), está fazendo greve de fome desde 23 de fevereiro, informou seu comitê de apoio em Paris.

- Fontes relativamente seguras anunciaram que ela começou uma greve de fome no dia 23 de fevereiro - declarou o presidente do comitê, Arnaud Mangiapan, falando à imprensa à saída de uma entrevista com o presidente francês Nicolas Sarkozy no Palácio do Eliseu, sede da presidência.

- Há um mês ela começou uma greve de fome. Uma greve de fome num hospital já é perigoso, mas, na selva, é fatal. Por isso está claro que para Ingrid há uma urgência absoluta - afirmou.

Segundo testemunhos ouvidos pela AFP, Betancourt foi vista com vida há uma semana no município de El Retorno, embora em precárias condições de sáude. Ela teria conversado com um agricultor local, que não foi identificado.

A versão foi dada por moradores do departamento de Guaviare, segundo a qual o contato com a ex-candidata presidencial colombiana ocorreu em 23 de março, na mesma semana em que circularam rumores sobre sua morte.

Segundo os relatos, Ingrid estava muito pálida, magra e desanimada. As fontes informaram ainda que, durante esse encontro, os rebeldes se mantiveram à distância, embora não soubessem explicar o por quê dessa atitude.