Cubanos poderão comprar celulares a partir de 14 de abril

JB Online

HAVANA - Os cubanos poderão comprar telefones celulares a partir do dia 14 de abril, em 30 pontos de venda da Empresa de Telecomunicações de Cuba (Etecsa, estatal), informou o vice-ministro da Informática e das Comunicações Ramón Linares, em entrevista publicada hoje pelo jornal oficial 'Granma'.

O serviço será cobrado em pesos conversíveis em moeda estrangeira (CUC), com custo de ativação de 111 pesos (cerca de US$ 120), e as tarifas serão as mesmas aplicadas atualmente a empresas e estrangeiros, os únicos que podiam ter celulares até agora.

Aos 30 pontos de venda iniciais da Etecsa, onde os usuários também poderão comprar os aparelhos e cujos endereços 'serão divulgados oportunamente', se somarão outros 20 estabelecimentos em "uma segunda etapa', disse Linares sem mencionar datas.

O vice-ministro explicou que os cubanos que já possuem celulares adquiridos 'por via indireta' - ilegalmente através de terceiros - poderão fazer a 'mudança de titularidade' pessoalmente, com um contato telefônico com a Etecsa.

A liberalização da telefonia celular é uma das reformas que estão sendo aplicadas pelo novo presidente cubano, Raúl Castro, em seu segundo mês de mandato, e a única destacada até agora por todos os meios de comunicação da ilha.

As outras são o fim da restrição para que os cubanos se hospedem em hotéis, em vigor a partir de hoje em vários estabelecimentos de Havana, segundo informaram fontes do setor à Agência Efe, e a venda de computadores, televisões e aparelhos de DVD, entre outros aparatos elétricos, que começará amanhã.

Todos os serviços e produtos liberados serão oferecidos em CUC, cada um equivalente a 24 pesos cubanos (CUP). O salário mensal médio na ilha é de 408 pesos cubanos (17 CUC), e o preço de um celular equivalerá a seis salários e meio.

Segundo o vice-ministro, no futuro também será possível oferecer, de maneira gradual e limitada, serviços móveis em CUP, à medida que os fluxos financeiros desse projeto permitirem, sem que seja posta em risco a sustentabilidade do próprio.

A telefonia móvel cobre 65% do território cubano, onde moram 75% dos 11 milhões de habitantes da ilha, afirmou Linares:

-Esta semana, o Ministério da Informática e das Comunicações passará à Etecsa as regulações necessárias para funcionamento normal desse serviço', acrescentou.

Linares disse que em 1959, ano do triunfo da revolução liderada pelo ex-presidente cubano Fidel Castro, havia apenas 170 mil linhas de telefonia fixa em Cuba, 73% delas concentradas em Havana. A densidade telefônica era (em 1959) de 2,6 telefones para cada cem habitantes, proporção que hoje está quintuplicada, e ainda continua baixa.