Coréia do Norte ronda Coréia do Sul com aviões bombardeiros

JB Online

SEUL - A Coréia do Norte enviou bombardeiros em vôos de reconhecimento à Coréia do Sul pelo menos 10 vezes desde que o presidente conservador Lee Myung-bak foi empossado no mês passado, levando Seul a responder com seus próprios aviões, disse o jornal Chosun Ilbo na segunda-feira.

Os vôos fazem parte de uma lista de atos provocativos vindos da Coréia do Norte, desde que o governo de Lee ameaçou Pyongyang, dizendo que, se quisesse continuar recebendo ajuda, teria de estender os direitos humanos, continuar seguindo um acordo nuclear internacional e começar a libertar mais de mil sul-coreanos sequestrados ou presos desde a Guerra da Coréia (1950 a 1953).

Os jatos se aproximaram da Coréia do Sul cerca de dez vezes desde o dia 25 de fevereiro, quando o novo governo chegou ao poder, disse o jornal. Autoridades de defesa disseram:

-O Ministério da Defesa sul-coreano está monitorando de perto as investidas, por acreditar que o Norte cria de propósito tensões via terra, mar e ar.

O Ministério da Defesa da Coréia do Sul, contudo, não quis comentar a reportagem. A Coréia do Norte lançou mísseis na sexta-feira, aumentando a tensão na península. No fim de semana, ameaçou fazer uma investida para 'não só deixar tudo em chamas, mas reduzi-lo (o Sul) a cinzas'.

A Coréia do Norte também ameaçou atacar as embarcações sul-coreanas que patrulham áreas disputadas no mar, suspender o diálogo entre coreanos e deixar de atender ao tratado internacional que os impede de retomar a produção de armas nucleares em suas usinas.

O Exército da Coréia do Norte é um dos maiores do mundo. A maior parte das tropas fica na região da fronteira, a apenas 50km da capital sul-coreana.