Cerca de 200 pessoas protestam em Jacarta contra repressão no Tibete

Agência EFE

JACARTA - Cerca de 200 pessoas, na maioria monges budistas e ativistas, fizeram uma manifestação hoje em frente à Embaixada da China em Jacarta, em protesto contra a repressão chinesa aos tibetanos. Na manifestação, convocada por uma coalizão de ONGs, os manifestantes exigiram que o Governo chinês 'pare a brutalidade no Tibete', que inicie 'o diálogo com o Dalai Lama' e que 'a tocha olímpica não passe por território tibetano', disse um responsável de uma organização indonésia.

O ato, que durou cerca de duas horas, contou com várias atuações musicais e artísticas, assim como com uma dramatização na qual vários policiais chineses espancavam um monge budista. Alguns dos presentes gritaram palavras de ordem a favor da independência da região, enquanto outros apenas exigiram que o Pequim coloque fim à violenta repressão.

Os distúrbios no Tibete começaram no início de março, com manifestações que lembravam a fracassada revolta local que em 1959 forçou a ida ao exílio do Dalai Lama e provocaram uma violenta repressão por parte do Governo chinês.