Avião enviado à Guiana para aguardar Ingrid volta à França

Agência EFE

PARIS - O avião-ambulância que a França enviou na sexta-feira à Guiana Francesa para ficar de prontidão em caso de uma eventual libertação de Ingrid Betancourt, que é mantida refém das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) há seis anos, voltou hoje vazio ao território metropolitano, onde outra aeronave já está preparada para decolar a qualquer momento.

Um porta-voz do presidente Nicolas Sarkozy explicou, sobre o retorno do Falcon 900 - que decolou rumo à França às 07h00 (no horário de Brasília) da base militar de Rochambeau na Guiana Francesa - que isso "não muda em nada a evolução da questão dos reféns".

O Falcon 900 pertence ao Ministério da Defesa e por razões internas de funcionamento "não pode permanecer por tempo indeterminado no departamento francês do Caribe", explicou o porta-voz, antes de acrescentar que por isso decidiu-se por sua volta para a base da França.

Confirmou-se também que o avião fazia o vôo de retorno "sem ninguém, além da própria tripulação", e reafirmou que há outro avião-ambulância em um lugar não explicitado, que pode "decolar em qualquer momento" caso Betancourt seja liberada.