Al Qaeda está recrutando combatentes 'ocidentais', diz CIA

REUTERS

WASHINGTON - A Al Qaeda está treinando combatentes de aparência ocidental, que poderiam facilmente atravessar as fronteiras dos EUA sem atrair atenção, disse no domingo o diretor da CIA, Michael Hayden.

O grupo militante islâmico converteu em reduto seguro as áreas tribais paquistanesas na região de fronteira com o Afeganistão e as está usando para tramar outros ataques contra os Estados Unidos, disse Hayden.

- A Al Qaeda está levando agentes para essa região para serem treinados --agentes que não atrairiam atenção se passassem pela alfândega em Dulles (aeroporto nas proximidades de Washington) ao lado de americanos que estivessem retornando ao país - disse Hayden em entrevista no programa Meet the Press, da rede NBC.

- Eles têm aparência ocidental e poderiam entrar neste país sem atrair o tipo de atenção que outros talvez atraíssem - disse ele, sem dar maiores detalhes.

Os EUA foram à guerra no Afegtanistão após os ataques de 11 de setembro de 2001 contra cidades norte-americanas, para esmagar a Al Qaeda e caçar seu líder, Osama bin Laden. Hayden confirmou que os EUA ainda acreditam que Bin Laden esteja escondido na área inclemente da fronteira entre Afeganistão e Paquistão.

O jornal Washington Post anunciou na quinta-feira que os EUA intensificaram seus ataques unilaterais contra alvos da Al Qaeda no Paquistão, porque temem que, dentro em breve, os líderes recém-eleitos desse país possam limitar as ações norte-americanas em seu solo.

O presidente paquistanês pró-EUA, Pervez Musharraf, foi enfraquecido pela derrota de seus aliados nas eleições recentes no Paquistão.

Hayden se negou a comentar diretamente o artigo do Washington Post, mas destacou que a situação nas regiões tribais é muito instável.

- A situação na fronteira entre Afeganistão e Paquistão representa um perigo claro e presente ao Afeganistão, ao Paquistão, ao Ocidente de maneira geral e aos Estados Unidos em particular - disse ele.

- Está muito claro para nós que nos últimos 18 meses, mais ou menos, a Al Qaeda conseguiu estabelecer uma zona de segurança para ela ao longo da fronteira entre Afeganistão e Paquistão, algo da qual não gozava antes.